artimusica

Viola de Fado Na viragem para o século XIX, terá chegada a Portugal um novo instrumento sob a designação de viola francesa ou de violão, que, segundo Mário de Sampayo Ribeiro, terá sido introduzido no país possivelmente por quaisquer emigrantes liberais. Em 1839, encontramos em Braga a Arte da Música para Viola Francesa de J.P.S.S., o que estabelece uma data e nos mostra o instrumento tal como ainda hoje ele se apresenta fundamentalmente. A viola francesa com cinco cordas simples seria a mesma de que evoluíram tanto a actual viola de concerto (por vezes conhecida como guitarra Hispânica ou guitarra clássica) como a moderna Viola de Fado, instrumento musical muito semelhante à guitarra clássica, mas com seis cordas de aço. A par da guitarra portuguesa, define-se na sua especificidade como um dos instrumentos protagonistas do Fado. Fontes: Rui Vieira Nery e Ernesto Veiga de Oliveira Nas fotografias, Viola de Fado, modelo 30351, construtor Artimúsica Instrumentos Musicais Lda Disponível na Casa da Guitarra + info em geral@casadaguitarra.pt, facebook e instagram.

Maio
22
2020

A viola francesa com cinco cordas simples seria a mesma de que evoluíram tanto a actual viola de concerto (por vezes conhecida como guitarra Hispânica ou guitarra clássica) como a moderna Viola de Fado, instrumento musical muito semelhante à guitarra clássica, mas com seis cordas de aço. A par da guitarra portuguesa, define-se na sua especificidade como um dos instrumentos protagonistas do Fado.


Continuar
Também chamada de Bandurra ou Viola de Castelo branco, eis a Viola Beiroa, cordofone da região da Beira Baixa, pertencente à família das violas de Arame portuguesas. A actual afinação, definida pelo mestre Alísio Saraiva, convencionou-se em MI RÉ LÁ MI SI + RÉ (requintas). Pormenor do cravelhal das requintas, exclusivo da Viola Beiroa entre as Violas de Arame portuguesas. As requintas são duas cordas agudas e curtas, que não são pisadas, sendo tocadas quase sempre soltas. Fonte: Viola Beiroa, Método, Edição INATEL Viola Beiroa, construtor Artimúsica. Disponível na Casa da Guitarra. Mais informações em geral@casadaguitarra. pt

Abril
21
2020

Também chamada de Bandurra ou Viola de Castelo branco, eis a Viola Beiroa, cordofone da região da Beira Baixa, pertencente à família das violas de Arame portuguesas. A actual afinação, definida pelo mestre Alísio Saraiva, convencionou-se em MI RÉ LÁ MI SI + RÉ (requintas).

Pormenor do cravelhal das requintas, exclusivo da Viola Beiroa entre as Violas de Arame portuguesas. As requintas são duas cordas agudas e curtas, que não são pisadas, sendo tocadas quase sempre soltas.

Fonte: Viola Beiroa, Método, Edição INATEL

Viola Beiroa, construtor Artimúsica.

Disponível na Casa da Guitarra.

Mais informações em geral@casadaguitarra. pt


Continuar