(Portuguese) Cavaquinho

Cavaquinho De Portugal para o mundo I O pequeno e popular instrumento de 4 cordas tem uma origem incerta. O estudioso Gonçalo Sampaio, no seu Cancioneiro Minhoto, aponta para uma arqueologia grega do cordofone, com mediação basca; Jorge Dias segue igualmente um percurso mediterrânico e considera como antepassados do cavaquinho, o guitarrón espanhol e o chitarrino italiano. Ora, se a maternidade não é minhota, é, porém, nesta região portuguesa que o cavaquinho encontra um acolhimento invulgar, como consequência da predisposição do temperamento musical do povo pelas canções vivas e alegres e danças movimentadas… O cavaquinho, como instrumento de ritmo e harmonia, com o seu tom vibrante e saltitante, é, como poucos, próprio para acompanhar viras, chulas, malhões, canas-verdes, verdegares. Além disso, é na região notório o gosto pelas vozes femininas sobreagudas e por vezes mesmo estridentes, que se casam bem com a tonalidade do cavaquinho. A afinação natural parece ser RÉ SI SOL SOL , a que certos tocadores de Braga chamam de “afinação para varejamento”; mas usa-se também MI DO# LÁ LÁ ou LÁ MI RÉ SOL, entre muitas outras. Do Minho, o cavaquinho passa directa ou indirectamente para o mundo. O Brasil ou Cabo Verde musicais são inseparáveis da presença acústica do cavaquinho; e o ukulele do Havai, neto migrante do tetracórdio português, é actual protagonista de um poderoso movimento musical no Mundo, sem que o seu sempre cantante avô, o cavaquinho minhoto, deixe de ser tocado no noroeste português de forma única, irrepetível em qualquer outro instrumento de corda. Fonte: Ernesto Veiga de Oliveira Nas fotografias, cavaquinho, modelo 11100, do construtor Artimúsica Instrumentos Musicais Lda Disponível na Casa da Guitarra + info em geral@casadaguitarra.pt, facebook e instagram.


June
11
2020

Sorry, this entry is only available in European Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Cavaquinho

De Portugal para o mundo I

O pequeno e popular instrumento de 4 cordas tem uma origem incerta. O estudioso Gonçalo Sampaio, no seu Cancioneiro Minhoto, aponta para uma arqueologia grega do cordofone, com mediação basca; Jorge Dias segue igualmente um percurso mediterrânico e considera como antepassados do cavaquinho, o guitarrón espanhol e o chitarrino italiano.

Ora, se a maternidade não é minhota, é, porém, nesta região portuguesa que o cavaquinho encontra um acolhimento invulgar, como consequência da predisposição do temperamento musical do povo pelas canções vivas e alegres e danças movimentadas… O cavaquinho, como instrumento de ritmo e harmonia, com o seu tom vibrante e saltitante, é, como poucos, próprio para acompanhar viras, chulas, malhões, canas-verdes, verdegares. Além disso, é na região notório o gosto pelas vozes femininas sobreagudas e por vezes mesmo estridentes, que se casam bem com a tonalidade do cavaquinho.
A afinação natural parece ser RÉ SI SOL SOL , a que certos tocadores de Braga chamam de “afinação para varejamento”; mas usa-se também MI DO# LÁ LÁ ou LÁ MI RÉ SOL, entre muitas outras.


Do Minho, o cavaquinho passa directa ou indirectamente para o mundo. O Brasil ou Cabo Verde musicais são inseparáveis da presença acústica do cavaquinho; e o ukulele do Havai, neto migrante do tetracórdio português, é actual protagonista de um poderoso movimento musical no Mundo, sem que o seu sempre cantante avô, o cavaquinho minhoto, deixe de ser tocado no noroeste português de forma única, irrepetível em qualquer outro instrumento de corda.

Fonte: Ernesto Veiga de Oliveira

Nas fotografias, cavaquinho, modelo 11100, do construtor Artimúsica Instrumentos Musicais Lda
Disponível na Casa da Guitarra
+ info em geral@casadaguitarra.pt, facebook e instagram.